<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d12899881\x26blogName\x3dasa+de+papel+com+ch%C3%A1\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://agripinaroxo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttps://agripinaroxo.blogspot.com/\x26vt\x3d-3742577428290935606', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
asa de papel com chá

Apago as estrelas, já tão amarrotadas pelo traço da ilusão e no caminho da solidão, visto um pijama céu de jasmim. A minha vida é um desenho diluído em chá. Bebes? 

13.2.14

18:07 - O tempo é um moinho.


Paul Klee, Red Balloon, 1922

Sentada, absorta de uma realidade vã, perco a razão. Não quero mais nada. O brilho dos meus olhos esfumou-se no ar tépido desta cidade poluída de pesadelos. Não há sonho nem sentir. O espírito povoa-se de dor enquanto a desilusão se assola do meu eu. Caminho por paralelos soltos, tropeço na mais pequena formiga e desenho a muito custo um sorriso na minha cara triste. Só o esbocei. Estou cansada... o lápis pesa. Gostava de me diluir na chuva, penetrar a terra. Podia nascer em forma de flor, tão esférica que voasse como um balão até mais não e me levasse as penas para o amanhã longínquo. Não queria chorar, não queria cantar. Abria os braços como um pássaro a voar e atirava-me nua à terra. Estaria apenas a mergulhar, bem fundo, bem para dentro, tapar a minha cabeça, esconder-me de vergonhas. Dissecava depois o coração e com a força de um sopro abria um túnel até ao outro lado do mundo. Esquecer-me de quem sou.

| Permanent Link


18:06 - Uma terça-feira qualquer

Joan Miró. Head of a Man. 1935






Pedi um café cheio, como faço sempre que sinto a cabeça fugir. As pálpebras dos olhos pesavam-me, o rosto era subitamente invadido pela palidez do tempo. O Miguel pediu uma chamuça, lembro-me bem, ele tinha saudades de uma chamuça. O empregado comentou qualquer coisa sobre um jogo de futebol e eu reparei na senhora que lia com afinco encostada à parede. Entra um homem, baixo, porco, feio, de olhar vazio e corpo doente. Parecia poder morrer a cada instante. Aproxima-se das mesas, aborda as pessoas murmurando palavras roucas que ninguém quer ouvir. O empregado dá ordens de expulsão. A senhora que lia com afinco interpela-o e com um sorriso oferece parte da sua torrada àquele homem porco, feio, de olhar vazio e corpo doente. Esse homem porco, feio, de olhar vazio e corpo doente vai finalmente embora. De cabeça baixa, leva numa mão a torrada e na outra, o telemóvel da senhora. .

| Permanent Link

© Agripina Roxo 2005 - Powered for Blogger by Blogger Templates